spacer.png, 0 kB
Dúvidas sobre lâmpadas Imprimir E-mail

P: As lâmpadas a Vapor de Sódio podem ser dimerizadas ?
R: Sim, mas no máxima até 50% da tensão nominal de operação. Isto só pode ser realizado após a lâmpada estar em operação á 100% da tensão nominal.

P: Qual é o tempo de vida de uma lâmpada em dias?
R: Os tempos declarados pelos fabricantes nas embalagens levam em consideração todos os requisitos de ensaios das normas técnicas ABNT. É necessário compreender que as instalações laboratoriais tem cuidados especiais onde são ensaiadas as lâmpadas e que os consumidores não tem em suas residências. A tensão de rede é estabilizada, ou seja, não há variações bruscas, os bocais são novos e o local de ensaio tem temperatura controlada. Sabendo de tudo isto, podemos afirmar que: 1. Uma lâmpada incandescente de 1000 horas que fica ligada em média 5 horas por dia, deverá durar por volta de 200 dias, ou seja, quase 07 meses. 2. No caso das lâmpadas fluorescentes que forem ligadas no máximo uma vez por dia e desligada após 3 horas diárias ela tem uma vida mediana de 8.000 horas. Ou seja, se você adquiriu, por exemplo, 10 lâmpadas do mesmo lote, mais que 5 lâmpadas irão durar 8.000 horas. Em laboratório elas podem durar até 07 anos, mas nas residências em média 03 anos. 3. As outras lâmpadas de descarga, devemos considerar também o número de acendimentos, pois é isto que determina a longevidade da lâmpada. É só verificar no catálogo ou na embalagem, o tempo de vida em horas e dividir a vida útil indicada pelo tempo que ficará ligada diariamente, resultando então no número de dias que durará aquela determinada lâmpada. Devemos relembrar que o tempo indicado no catálogo e na embalagem é vida mediana e não absoluta.

P: Como identificar a data de fabricação das lâmpadas em geral?
R: Em geral as lâmpadas possuem uma data de fabricação identificada por uma letras e numeros, que vão impressos juntos, no carimbo da lâmpada, por exemplo: A02 = Fevereiro de 1998, sendo A= 1998 e 02 = Mês de Fevereiro B05 = Maio de 1999, sendo B = 1999 e 05 = Mês de Maio C10 = Outubro de 2000, sendo C = 2000 e 10 = Mês de Outubro

P: As lâmpadas eletrônicas podem ser utilizadas em fotocélulas ?
R: Podem, porém irá diminuir muito o tempo de vida útil da lâmpada.

P: Para iluminar locais de práticas de esporte, como ginásios poli-esportivos, estádios de futebol, quadra de tênis, qual a lâmpada ideal?
R:
Em quadras profissionais, sempre lâmpadas de multivapores metálicos. As lâmpadas metálicas de 250W para pequenas quadras, de 400W na maioria dos casos, até as de potências acima de 1.000W, para estádios de futebol. Muitos dos estádios são iluminados com 2000W. Em pequenas quadras de esportes amadores ou esporte por lazer, podemos instalar lâmpadas de vapor de mercúrio.

P: Se eu acender ou apagar uma incandescente com frequência reduz a vida útil da lâmpada?
R: Não, a vida útil das incandescentes das lâmpadas não depende do número de acionamentos, mas sim do período em que ela permanece acesa. A energia aplicada à lâmpada, deteriora o filamento provocando o rompimento do mesmo.

P: Quais são os modelos de reatores que as lâmpadas de descarga funcionam?
R: As lâmpadas de Vapor de Mercúrio funcionam com todos os modelos disponíveis no mercado nacional. O mesmo ocorre com as lâmpadas a Vapor de Sódio. As lâmpadas a Vapor Metálico necessitam de IGNITORES que gerem pulsos entre 3,5 KV e 5,0KV.

P: Por que as lâmpadas de descarga demoram para reacenderem?
R: As lâmpadas de descarga inclusive as mistas são sensíveis a qualquer variação de voltagem. Quando a tensão cai para menos de 200V, normalmente a lâmpada apaga, e para o re-acendimento há necessidade de resfriamento da mesma, para que o mercúrio se consolide. Normalmente o tempo é de três a quatro minutos.

P: É possível ligar a lâmpada incandescente em corrente contínua ( tensão DC )?
R: Sim, é possível. Porém a operação em corrente contínua provoca uma maior deterioração no filamento da lâmpada, reduzindo sua vida útil.

P: Podemos dimmerizar as lâmpadas fluorescentes compactas eletrônicas?
R: Não e também não é possível. Ela vai apagar antes de atingir o mínimo.

P: O acendimento frequente das lâmpadas fluorescentes compactas eletrônicas reduz sua vida útil ?
R:
Sim, por estes motivos, não recomendamos a sua utilização em sistemas de minuterias, pois o número de acendimentos poderá ultrapassar 200 por dia, e ainda assim, a lâmpada ficará tão pouco tempo acesa que a economia de energia não será tão grande, não tendo assim uma relação custo/benefício viável quando comparada com a incandescente. O mesmo pode-se dizer dos detectores de presença, instalados principalmente em garagens dos condomínios. Porque, como toda lâmpada fluorescente, o liga e desliga muito frequente da lâmpada, proporcionado pela minuteria, ocasiona a sua queima precoce.

P: Estas lâmpadas consomem muito durante o acendimento?
R: Não, a lâmpada irá consumir um pouco mais do que ela consome apenas naqueles segundos iniciais de acendimento, e que mesmo assim é bem menor que as incandescentes.

P: Vale a pena trocar lâmpadas fluorescentes tubulares por fluorescentes compactas ?
R: Não, pois as fluorescentes tubulares possuem praticamente a mesma eficiência das lâmpadas compactas. É muito comum a utilização de lâmpadas fluorescentes tubulares de 20W ou 40W nas cozinhas das residências e garagens de condomínios. Nestas situações a troca por uma fluorescente compacta não vale a pena, pois este tipo de lâmpada também economiza energia, quando comparamos com as incandescentes.

P: Por que as lâmpadas fluorescentes compactas demoram um pouco para atingir a quantidade de luz total?
R: Como toda lâmpada de descarga, elas necessitam de algumas dezenas de segundos para atingir a temperatura ideal de funcionamento, somente a partir daí e que estarão emitindo 100% da luz.

P: Essas fluorescentes compactas realmente economizam energia?
R: Sim, pois sendo uma lâmpada de descarga, chega a poupar até 80% da energia, com a grande vantagem de terem uma grande vida útil. Podemos afirmar que lâmpadas com menos de 5.000 horas de vida útil não chegam a ser economicamente viáveis. Quando mais longa for sua vida útil, maior será a economia na substituição das lâmpadas incandescentes.

 
< Anterior
spacer.png, 0 kB